sexta-feira, 4 de setembro de 2015

A FÉ NÃO COSTUMA "FAIA"

Dois anos!
A exatos 02 anos minha vida tomou outro rumo, diria até que tomou outro sentido.
Certeza que existe a Renata de antes e depois daquele 04 de setembro de 2013. Uma Renata que aprendeu a ser mais forte, mais corajosa, mais leve, mais disciplinada e mais confiante.
Foi muito medo e muita incerteza a ser enfrentada mas deu certo!
Depois de 2 anos não tenho mais o que escrever nesse blog. Tudo que eu passei, que pensei e que senti durante o meu convívio com o câncer ta registrado aqui, quase que como um livro de ajuda para quem ainda vai passar por esse momento mas a vida voltou ao normal (pensei que esse dia nunca chegaria) e quero encerrar esse ciclo.
Daqui pra frente a única coisa que teria pra escrever é sobre o medo e ansiedade que bate a cada seis meses, na época dos exames de revisão. O medo da reincidiva vai ser meu companheiro acredito que pra sempre mas ficar falando sobre isso vai ficar chato e repetitivo.
Como ja falei antes acho importante finalizar dizendo que estou bem e curada para não deixar no ar o que pode ter acontecido comigo que nunca mais atualizei o blog. (claro que se alguem que não faz parte do meu circulo de amizade quiser falar comigo estarei super disponivel, é so deixar mensagem aqui que eu entro em contato)

Para encerrar o blog eu quero escrever sobre o assunto que mais mexeu comigo durante todo esse processo, o assunto que me trouxe maior aprendizado: a fé.
Eu nunca entendi a fé e sempre questionei. Era tipo de pessoa que precisava ver as coisas acontecerem para acreditar e fé não cabe nesse comportamento, ainda mais quando rezava, fazia promessas e as coisas não saiam como eu esperava.
Meu maior golpe contra a fé veio pouco antes de descobrir a doença. Pedi tanto pra Deus curar meu pai e ele o levou ...
Até que a morte, a sua morte, chega bem perto.
Você é tomada pelo medo, não sabe o que fazer e nem como agir. Você sente que sua vida não te pertence e se entrega a algo maior na esperança de que ele cuide de tudo. Assim eu descobri a fé!
Sempre rezei, frequentei igrejas, centros, tenho um altar com imagens de santos "babys" mas eu não tinha fé; quer dizer, não tinha aquela confiança dentro de mim de que as coisas se resolveriam e tudo ficaria bem e que hoje sei que isso é fé.
As coisas começaram a mudar no dia que ganhei de um rapaz que trabalhava comigo uma oração linda, que não eram palavras a serem repetidas e sim um bate papo com Deus, onde Ele pede pra eu deixar minhas preocupações de lado, confiar que Ele sabe o que esta fazendo.
Eu, sem muito o que fazer, ate pq na epoca eu ainda não estava sobre cuidados médicos, resolvi entrar nessa onda e me entreguei.
A cada dia que fazia aquela oração eu me sentia mais leve, mais entregue e mais confiante ... fui descobrindo que aquilo era fé.
Depois desse meu primeiro contato com a fé vários eventos aconteceram pra me dar a certeza que eu finalmente estava começando a entender aquilo que eu buscava a tanto tempo.
Eu sabia que sairia dessa, eu sabia que tudo ia acabar bem. Como? Não sei, eu apenas sentia e sabia que esse sentimento vinha de confiança, da fé.
Acho que Deus, quando percebeu que eu finalmente tinha entendido como a coisa funcionava, resolveu contribuir colocando fatos concretos na minha vida para que eu não tivesse dúvidas de que aquilo estava funcionando.
E assim foi meu encontro com a fé!
Não com religião, pq religião não tem nada a ver com isso mas com algo que me da certeza que posso seguir em frente que estou amparada.
Hoje todo dia tenho uma conversa com Deus (minha religião) e a unica coisa que eu peço é que não me deixe perder a fé e a aumente sempre mais pois só assim sei que tudo vai continuar bem.

Obrigada a todos vocês que me acompanharam por aqui e, principalmente, aqueles que estiveram perto de mim durante esses dois anos.
Espero que esse blog ainda ajude muita gente.
Se eu não puder tirar nada de positivo de tudo que me aconteceu que pelo menos a minha forma de encarar todo esse turbilhão sirva de incentivo pra quem ainda vai passar por ele.
Que seja leve, que seja rápido e que tenha final feliz

PS: como disse nunca tive muita fé mas, numa dessas ironias da vida, essa sempre foi uma das minhas músicas favoritas, porque "até quem não tem fé, a fé costuma acompanhar. pelo sim, pelo não"




quinta-feira, 19 de março de 2015

ACHO QUE SAI DA ZONA DE CONFORTO

Relembrando uma coisa que escrevi la no comecinho do blog, quando eu descobri o câncer fui me alimentar de histórias de superação e comecei a ler vários blogs de mulheres que dividiam seu dia a dia, seus medos e suas vitórias (inclusive elas que me inspiraram a fazer isso), mas uma coisa também me incomodava demais, passado um tempo elas simplesmente paravam de escrever, sumiam. São vários e vários blogs sem atualização, sem um "tchau", um "até logo" ...
Bom, nem preciso dizer que batia o pânico: "deve ter morrido, por isso parou de escrever". Inevitável pensar assim, concordam?
Pensando em como eu me sentia, e não querendo fazer parte da estatística das "sumidas", resolvi voltar e dizer to aqui, to viva, to forte, to feliz e afim de voltar a escrever.
Meu último post foi em novembro, mês que tomei duas decisões importantes: me demiti do serviço assim que voltei de licença e comprei passagens pro carnaval de Salvador sem pensar se teria dinheiro ou não.
Sair do trabalho foi uma decisão bem pensada, mesmo sabendo que a situação do país não vai bem e provavelmente não sera um ano fácil para a economia, mas não podia continuar em um lugar que me fazia mal a anos, que sugava minhas energias e que me fazia infeliz. A única coisa que eu ganhava la era dinheiro mas ainda sou daquelas que só isso não basta. O lema no meu primeiro emprego era "a gente ganha pouco mas se diverte" e isso cresceu com minha vida profissional, tanto que desse primeiro emprego ainda tenho vários amigos.
A segunda foi mais fácil mas confesso que no fundo mexeu comigo de uma forma estranha. No meu íntimo batia uma coisa meio assim "você adiou sua ida ao carnaval de Salvador por 10 anos, pensando na grana que ia gastar, no medo da grana fazer falta e agora, porque deu te cara com a morte, resolveu tocar o foda-se pq talvez não tenha outra oportunidade. O medo de morrer te trouxe até aqui" (tenho certeza que muita gente pensou assim também).
Acho que durante muito tempo o câncer vai andar de mãos dadas com as minhas decisões mas uma coisa eu devo agradecer, ele me tirou da zona de conforto e quer saber? Ta bom assim!

Update:
1) Ja estou em um novo emprego. Ainda estou na área de eventos mas em um lugar super bacana, um horário legal e com uma chefe que não é uma chefe, é uma amiga querida que a vida me presenteou
2) Que bom que meu medo me levou a Salvador! Conheci pessoas maravilhosas, passei dias incríveis com meus amigos la da terra da alegria e conheci o maior carnaval do mundo. Dancei, cansei, chorei, beijei, bebi (meu médico disse que eu podia, aliás foi ele que me aconselhou a ir depois de olhar meus exames de rotina: VAI VIVER, RENATA.)
Eu fui e ganhei esse presente ai


video