terça-feira, 31 de dezembro de 2013

QUE VENHA 2014


Desde a primeira vez que resolvi viajar no reveillon comecei a trabalhar na minha cabeça que o ultimo dia do ano é uma data como outra qualquer pois isso faria diminuir o peso na consciencia de deixar meus pais. E assim tem sido há muitos anos por isso não ia escrever nada mas mudei de idéia.
Por motivos óbvios poderia dizer que esse foi o pior ano da minha vida mas não foi.
Enquanto as pessoas acreditavam que eu estava sofrendo, eu estava aprendendo (e ainda estou) e mais que isso, vivendo.
Claro que senti medo (e ainda sinto), senti dor, senti abandono, senti (pouca) pena de mim mas vou listar o pq esse ano não foi ruim, e tudo em função do bicho:
- seria um ano insuportavel de saudades do meu pai mas o bicho me ocupou demais e não tive tempo pra pensar tanto no assunto. Muito pelo contrário, senti meu pai mais perto e cuidando de mim
- me aproximei da minha mãe do meu irmão de forma nunca feita antes e descobri que se existe uma guerreira nessa história esse alguém não sou eu e sim ela.
- encontrei algo que procurava desde sempre e que foi o que me deu suporte para enfrentar tudo isso: a fé.
- aprendi a pedir menos e agradecer mais
- desacelerei
- aprendi a julgar menos
- deixei de ser vitima e passei a ser a responsavel por tudo que me acontece
- amadureci muito
- aprendi a encarar meus medos
- aprendi que nossos medos são alimentados por nossa ignorancia, nossos mitos e a dificuldade de encarar as coisas de frente (isso agradeço demais aos meus médicos)
- vi quem são as pessoas que se preocupam comigo de verdade e consequentemente fez com que eu visse com quem devo perder meu tempo ja que descobri o quanto ele é precioso.
- me tornei (mais) altruista
- aprendi mas também ensinei muito. Nada me deixa mais feliz do que alguem me abordar e dizer que esta levando o tratamento de outra forma por me ter como exemplo
- amigos antigos voltaram
- ganhei novos amigos
- tive a certeza que família são os amigos que você escolhe, o resto são parentes
- descobri que o amor não tem fronteiras mesmo e nem a tela de um computador é capaz de barra-lo e que sim, vc não precisa conhecer as pessoas pessoalmente para aprender a ama-las e receber tudo de bom que elas desejam pra você
- não guardo mais meus sentimentos sejam eles bons ou ruins, afinal não virei santa
- voltei a malhar
- voltei a me dedicar aos estudos do que eu amo, terapia holistica
- me descobri bonita do jeito que eu sou
- me senti mais mulher
- melhorei (e muito) minha alimentação
- aumentei meu peso mas estou mais leve
E fora tantas outras coisas que carrego dentro de mim que não sei como escrever
Eu mudei e mudei pra melhor.
Não sei se para os outros mas melhor para mim.
Ainda tenho algumas batalhas pela frente mas as mais importantes eu ja venci.
O bicho não mora mais em mim e com sua partida ele trouxe a Renata que eu sempre quis ser.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

FELIZ VERDADEIRO ESPIRITO DE NATAL


Em 2008 eu ganhei um presente de Natal super especial que prometi que ia levar comigo a vida toda, ou até enquanto ele durasse, mas nunca imaginei que esse ano ele tomaria um significado completamente diferente.
Quando comecei a fazer voluntariado eu sempre dizia "trabalho com qualquer pessoa menos com crianças

com câncer" e eis que quando pintou a oportunidade de trabalhar no Sonhando Juntos essa era minha missão.
Encarei de boa pq me encantei com o projeto e fui designada a trabalhar na Casa Ninho. Trabalhar não, brincar e me divertir.
No começo foi fácil pq para mim o que sempre caracterizou o câncer era a carequinha e durante umas 3 visitas eu ainda não tinha tido contato com ninguem nessas condições até que conheci a Bruna, uma menina de 12 anos que não lembro exatamente qual era o tipo de a acometia mas lembro que não era simples. A Bru era carequinha e andava de cadeira de rodas.
Lembro que me apaixonei pela doçura dela mas como eu sempre preferi brincar com os mais novos eu não tinha muito contato com ela. Conversava um pouco, elogiava os trabalhos manuais dela pq eram todos super bem feitos e a deixava com os voluntarios que preferiam ficar com os mais velhos.
No Natal de 2008 a atividade era fazer um Natal de argila, e a Bruna como era toda caprichosa liderou nosso projeto e fez um presépio lindo que todos elogiaram.
Na hora de ir embora fui me despedir da Bruna, que como eu ja disse não era a criança que eu acompanhava, e qual não foi minha surpresa?
"Tia, esse presépio é um presente para você"
Juro que não acreditei que aquilo estava acontecendo, aliás nem os outros voluntários.
Não era praxe ganharmos presente e quando ganhávamos era da criança que estávamos acompanhando.
Nem preciso dizer o que meu coração sentiu,né?
Depois disso vi a Bruna uma unica vez, fui abraça-la no dormitório pois estava muito fraquinha e não conseguia se levantar. Na outra visita ela estava internada e nunca mais soube dela, de qualquer forma ela me deixou uma linda lição de Natal e que eu guardo no meu coração.
Espero que nada de ruim tenha acontecido mas se Deus a escolheu para viver do lado dele certamente ela é um dos anjos que cuida de mim.
Feliz Natal Bruna, feliz verdadeiro espírito de Natal.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

ESTILO RONALDINHO

Um dos momentos inevitáveis de quem esta passando pelo tratamento do câncer de mama é a temida perda dos cabelos, isso por causa da agressividade dos medicamentos que chegam chegando pra acabar com tudo de ruim (mas leva um pouco do que é bom tb)
Eu ja vinha me preparando para ela desde o diagnóstico. Não sei se "preparar" seria a palavra certa até pq essa fase me causou grande ansiedade e curiosidade, afinal quem ja foi ruiva, loira, morena, de cabelo curto e cabelo comprido só faltava mesmo ficar careca.
O preparativo para a chegada do momento foi grande, comprei vários lenços, me emprestaram perucas mas quando foi chegando a hora, no décimo quarto dia após a primeira quimio, quando meus cabelos começaram a sair facilmente nas minhas mãos, confesso que "amarelei".
Estava pensando em raspar logo que isso acontecesse mas me faltou coragem, ainda mais quando uma amiga que ja passou por isso, ao pegar nos meus fartos cabelos disse que eu conseguiria ficar com eles até o Natal.
Porém não foi o que aconteceu, no décimo quinto dia (data liquida e certa para todos) os cabelos simplesmente se desprendiam do couro cabeludo. Lençol, travesseiro, chão ... sujeira total.
Tentei cortar o cabelo curtinho mas ao entrar no banho os tufos continuavam caindo.
Fiquei triste? Que nada. A sujeira era tão grande, pq tenho cabelo a beça, que o desespero bateu e decidi "vou raspar agora mesmo porque to ficando nervosa".
Fui no cabeleireiro na minha rua e mandei ver. 
Como tudo que esta acontecendo comigo nessa fase tem a mão de Deus, não poderia ter escolhido profissional melhor para esse momento. Enquanto ele raspava meus cabelos ia me contando a história da mãe que ja passou por isso e curtiu a carequice, de outras clientes e ainda falou que vira e mexe chega alguem precisando fazer o mesmo... aquela sensação de ufa, não sou a única.
A outra coisa boa que me aconteceu foi não sentir dor nem coceiras na cabeça, coisa que acontece com muita gente.
Me olhei no espelho, meus olhos verde brilharam e de verdade, amei o que vi.
Me vi por inteira, tenho a cabeça redondinha e bem bonitinha.
Coloquei um lenço, um boné e fui malhar.
Mais uma etapa passada e que nem doeu.
A sensação de tomar banho careca é fantástica, me sinto mais dona do meu corpo, feliz e bonita.
Ainda quero sair na rua assim pois achei que combinou demais comigo mas ainda estou receosa com a reação dos outros (sim, os outros ainda me incomodam)
Por enqto brinco com os lenços, as perucas ... to bem curtindo esse momento.
E agora, essa sou eu por um período.



terça-feira, 17 de dezembro de 2013

MENOS UMA

Estava devendo informações sobre a quimioterapia né?
Pois bem, dia 29 de novembro fiz a minha primeira vermelhinha, uma quimio mais forte para matar qualquer resquício do bicho que de repente pode ter escapado.
Confesso que estava ansiosa e até com um pouco de medo afinal no tratamento nada é mais temida do que essa etapa mas graças a Deus temos essa possibilidade de cura.
Foram algumas horas deitada na cama do hospital, vendo tv acompanhada da mãe, comendo comidinha gostosa (por incrivel que pareça a comida do hospital é bem boa).
Depois bateu a ansiedade, e agora? O que vai acontecer? Vou vomitar, ter enjoos, ficar molenga?
Nada, não senti nada nem na hora e nem nos dias seguintes.
Passei mal no primeiro dia sim mas não teve nada a ver com a quimio.
Com medo de perder o apetite cheguei em casa numa ansiedade imensa de "preciso comer, preciso comer" , comi tudo que vi pela frente e no fim da noite o "hugo" me fez companhia.
No dia seguinte segui a risca o conselho do meu médico para que eu levasse uma vida normal e fui no show em homenagem ao Cazuza mas que fique claro que só fui pq era em ambiente aberto pois nessa fase do tratamento se der para evitar lugares fechados com muita gente é melhor.
Durante a semana tive pequenos enjoos que curei na hora mastigando gengibre.
Ai se eu soubesse disso na época das minhas ressacas ...
Só dei uma sossegada do décimo ao décimo quarto dias após a aplicação porque essa é a época em que a imunidade cai e volta subir, é a época em que ficamos mais suscetíveis a infecções, é a época que se aparecer uma febre temos que correr para o hospital.
Nota 10 pra mim.
Juro que se não soubesse o tanto de gente que passa mal com quimio ia achar que é exagero, mas como tudo que envolve essa doença cada caso é um caso e nada impede que eu venha a ter algum problema nas próximas.
Mas eu não terei!!!
Ah, ja passei pelo pior efeito colateral e ja estou carequinha mas isso conto num próximo post.
E como ja aviso no título, menos 1.


sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

TATUAGENS QUE A VIDA ME DEU

Eis que recebi minha primeira alta, a do cirurgião plástico.
Desde a operação tive acompanhamento semanal, depois quinzenal e agora ele só quer me ver após a radioterapia que deve acontecer la para maio (vou sentir saudades do Dr. Alvaro, que além de ser um profissional de primeira é super divertido).
Graças a Deus a cicatrização foi rápida, ótima e o serviço ficou super bem feito.
A partir de agora sou eu quem cuida das minhas cicatrizes, ou como eu prefiro dizer das tatuagens que ganhei de presente da vida.
A primeira vez que eu as vi senti nojo, náusea, tremedeira, raiva, enfim um misto de sentimentos que me fizeram sentar para recuperar o ar, foi foda.
Agora ja as aceitei como minhas, um marco, um sinal ... minhas novas companheiras.
Quando fazemos tatuagens geralmente elas tem um significado importante ou vem marcar um momento de vida que queremos eternizar. Eu tenho uma única tattoo que foi feita somente pelo significado mas acabou marcando um momento da minha vida, um amor. Um amor rápido, intenso mas que foi uma das histórias mais bonitas que vivi.
Agora eu tenho novas tatuagens, que eu não escolhi mas que me escolheram.
Tatuagens que marcam um novo momento de vida, fim de medos pequenos, fim de preocupações com coisas menores ainda diante dos olhos de uma pessoa que enfrentou um câncer que provavelmente foi fruto de muito stress desnecessário, fim de falsos relacionamentos, fim de períodos de protelação, início de novos sonhos, de novos projetos, de novos relacionamentos, de preocupações com coisas que realmente valham a pena já que elas não deixarão de existir 100% mas que certamente trarão resultados positivos.
Tatuagens que marcam uma maturidade adquirida do dia pra noite, carregada de força e sentido.
Tatuagens que acima de tudo marcam o início de uma nova vida, marcam o nascimento de uma nova pessoa, bem diferente do que eu era ha alguns meses atrás.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

CONJUGANDO O VERBO TER

Essa semana mais algumas pessoas ficaram sabendo do meu problema e mais de uma comentou "nossa Rê, não sabia que você tem câncer", ai uma dúvida que carrego desde o resultado da cirurgia quando a mastologista disse que clinicamente eu estava curada e o radioterapeuta pediu para eu sair do consultorio dele com a certeza de que eu não era mais uma pessoa doente voltou a me consumir.
Qual a conjugação certa desse verbo? Tenho ou tive? Passado ou presente?
Tentei levar esse assunto para a terapia mas acho que confundi mais as coisas.
Tenho contato com pessoas na internet que não conseguem se desapegar da doença é usam o verbo no presente, mas eu não quero, esse verbo tem que ir para o passado e ficar bem quietinho lá.
No dia da minha primeira quimioterapia (depois conto aqui como foi) fiz um questionário para o dr. fofo e querido oncologista e uma das perguntas foi justamente essa: tenho ou tive?
Batemos um longo papo sobre o assunto e o que ele disse é que a ignorancia e o medo que as pessoas ainda tem de encarar o assunto faz com que pequenas questões não sejam esclarecidas e o monstro continue crescendo.
Conclusão da nossa conversa: eu TIVE e estou passando por um tratamento que vai matar qualquer coisa que porventura tenha restado no meu corpo e evitar que esse bicho volte a aparecer.
A coisa funciona assim: a pessoa que faz quimioterapia sem ter feito a cirurgia e o tumor continua la, tem câncer. A pessoa que operou e tirou o tumor, teve câncer mas precisa fazer o tal tratamento adjuvante. E claro que tem aquelas que nem precisam passar por cirurgias e se curam apenas com o tratamento inicial.
É isso!
Meu verbo do presente passou para o passado e com a graça de Deus não voltará no futuro

terça-feira, 26 de novembro de 2013

BORA FAZER O BEM?

Ja escrevi em outros posts que tenho conhecido pessoas maravilhosas nesse meu "novo mundo" e também projetos maravilhosos que visam melhorar, nem que seja um pouquinho, a vida dos pacientes oncológicos principalmente das mulheres em um momento crítico do tratamento: a temível perda dos cabelos.
Resolvi abraçar o projeto de duas pessoas lindas que desde que me conheceram me receberam de braços abertos em suas vidinhas, a linda da Camila Almeida e a matraquinha mais querida do mundo Renata Vittorato, o projeto "Banco da Auto-Estima" que doa um pouco de auto-estima para mulheres carentes que estão passando pela quimioterapia.
O projeto é totalmente filantrópico, bancado por 4 mulheres que passaram ou estão passando pelo câncer e que ao longo do ano doa kits contendo peruca, lenços e acessórios na intenção de resgatar a auto-estima perdida durante o tratamento e que é extremamente importante pois influencia diretamente nos resultados.
Hoje esses kits são bancados por elas mas o projeto esta tomando uma proporção tão grande que o negócio ta "ficando difícil" mas isso deixa a todas nós super felizes pois é sinal de que muita gente esta sendo ajudada.
Aqui você pode conhecer um pouquinho desse trabalho e de pessoas que já foram presenteadas com esses kits do bem: https://www.facebook.com/pages/Banco-da-Auto-Estima/695535427130125

Bacana né?
Quer ajudar o Banco da Auto- Estima?
Você pode ajudar de duas formas:

1) Certamente ja estamos todos pensando nos presentes de Natal, né? Uma dica: as meninas criaram uma linha de produtos lindos cuja renda arrecadada será convertida em novos kits. São pulseiras, moleskines e shoppings bag que podem ser adquiridos através da likestore da página oficial do projeto no facebook (ou fale comigo que dou um jeito).

2) final de ano é aquela época em que fazemos aquela "limpa" nos guarda roupas, então se você for se desfazer de bijoux, lenços ou outros acessórios bacanas que possam incrementar os kits porque não doa-los para o banco? Se ja passou pelo tratamento do câncer ou conhece alguem que tenha passado e hoje tem os lenços e perucas apenas como recordação dessa fase, pq não doa-los?
Como fazer? Me fala que esta afim que mais uma vez, dou um jeito.

Todas as envolvidas no projeto agradecem demais :)










quinta-feira, 21 de novembro de 2013

365 DIAS


01 ano; 12 meses; 365 dias ...
Na velocidade em que passam as horas nem sei dizer se é muito ou pouco tempo, só sei que é tempo suficiente para mudar uma vida.
Há um ano meu pai partiu, há um ano senti o "bicho" no meu peito, há um ano que nada é mais como era antes.
Nesse um ano aprendi a lidar com a ausência física do meu pai pois sei que lá onde ele está é o melhor lugar que encontrou para cuidar de mim ja que aqui na Terra talvez ele não pudesse fazer nada (alias papai, Deus, Jesus, meus guias, meus mestres, meus mentores, meus anjinhos, meus santinhos estão fazendo o trabalho direitinho, muito obrigada). Meu relacionamento com minha mãe e meu irmão melhorou demais, descobri quem me ama e se preocupa comigo de verdade, ganhei novas amizades, novas experiencias, novas coisas para contar. Apesar dos pesares, nesse um ano minha vida melhorou.
Em um ano descobri que a vida pode ser leve e não tão pesada como eu achava com meus 36 anos.
Ganhei paz, serenidade e maturidade. Ganhei um novo olhar, mais terno, menos crítico.
Me reaproximei de pessoas que eu e meu umbigo achávamos que não eram mais necessárias. Ai como nosso orgulho, nosso ego e nossa prepotencia nos fazem perder a noção da realidade.
Nesse tempo o "bicho" nasceu, cresceu e morreu e no dia que completou um ano que o encontrei hospedado no meu peito o médico definiu meu tratamento.
Começarei a tomar meu elixir da nova vida e assim como a águia em fase adulta perderei minha penas e minhas unhas para que possa viver mais, após renascer como uma fênix.
O que eu sinto? Medo, curiosidade, dúvidas ...
Dizer que a tristeza não bate é hipocrisia mas ao mesmo tempo bate uma ansiedade gostosa e divertida quando começo ver acessórios para a careca.
Eu não choro?
Ainda não chorei por causa disso mas se tiver vontade chorarei com prazer e com todas as minhas forças. Ja chorei por tanta coisa sem importância, tanta gente sem valor: pé na bunda, tênis rasgado, show que deixei de ir, feriado perdido, horas paradas no trânsito. Ja chorei até porque um pé de feijão que eu plantei no algodão morreu (tinha 6 anos,ok).
Na teoria ta tudo sob controle, na prática só o tempo dirá.
Vou ter o prazer de ver novamente meus cabelos na cor natural só que agora carregado de fios brancos, cheio de histórias pra contar. Logo eles renascerão fortes como eu após esse um ano.
Renascer é bom demais. Renascer é não ter mais vontade de voltar atrás e mudar o que não deu certo, é seguir em frente sabendo que todo dia é novo.
Agora se inicia uma nova etapa, o início do fim para um novo início (entendidos entenderão).
E é isso.
Quem vem comigo?
Não precisa responder.
Esse um ano, ou 12 meses, ou 365 dias ja me mostraram isso

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

SEMENTINHAS GERMINANDO

Quando vi que não ia levar essa coisa como a maioria das pessoas, que iria levar de uma forma mais leve e, se conseguisse, como uma doença como qualquer outra resolvi que ia ajudar a desmistificar isso tudo.
É meio desesperador se deparar com pessoas que não veem saída, que alimentam o lado ruim da doença, que esperam a morte chegar. Não estou julgando quem encara dessa forma mas gostaria de ver todo mundo bem, ou pelo menos com esperança de que tudo vai passar e a cura é possível.
Sou meio Pollyana sim, sou meio Madre Tereza de Calcuta mas enfim, sou assim e não quero mudar.
Por outro lado tenho encontrado muita gente que pensa e age como eu, que quer ajudar a mudar a realidade de muitas pessoas nem que seja por um momento. Conhecer essas pessoas está aumentado a minha corrente do bem e principalmente fazendo eu me mexer dentro do que me propus: ajudar, e através de uma dessas pessoinhas do bem dei o meu primeiro passo.
Convidada pelo programa "Hoje em Dia", da TV Record, dei um depoimento de como a internet tem me ajudado a encarar o bicho e consequentemente como eu também estou ajudando de alguma forma.
Minha primeira reação foi negar o convite que veio da Valéria, a personagem principal da matéria, mas não podia deixar passar essa oportunidade que eu tanto pedi a Deus.
Interessante que logo depois que eu disse que não queria pq morria de vergonha li no livro da Flavia Flores algo como "eu não deixo de surfar nas ondas que aparecem, em umas eu vou cair e em outras vou em frente"
Convite aceito e o resultado, com feedback super positiva, vocês conferem aqui (mas continuo com vergonha)
http://entretenimento.r7.com/hoje-em-dia/videos/mulher-supera-o-cancer-e-da-exemplo-de-vida/idmedia/527b89950cf2fd718a0db38d.html


Nessa mesma semana que a reportagem foi ao ar a querida Gisela Rao me convidou para a ultima reunião do ano do VAE , um projeto que ela ja mantem ha alguns anos e que visa recuperar a auto-estima perdida.
Vale muito a pena conhecer!
O tema do encontro era "Descarrego" mas não no sentido que a gente conhece e sim no sentido de soltar o que a gente carrega. Nesse dia pude dar meu depoimento.

Foi tão lindo ver aqueles olhos voltados pra mim, prestando atenção e depois servir de exemplo nos outros depoimentos. Ganhar abraços sinceros de pessoas que tiveram coragem de expor que ja passaram por isso, pessoas vindo com muito carinho.
Percebi que deixei coisas boas ali e isso me fez um bem danado.
Acho que estou indo pelo caminho certo, quem sabe pela primeira vez na vida seguindo minha alma.           Poder ajudar me preenche





Enquanto escrevia esse post uma querida chamou no facebook para agradecer (?) as minhas palavras no dia em que ela decidiu que não iria fazer o tratamento. Nossa conversa fez com que ela repensasse a decisão e ontem fez sua primeira quimio.


Créditos das fotos: Marina Azevedo

sábado, 9 de novembro de 2013

A INTERNET A FAVOR DO AMOR E DA CURA - IV

Como eu prometi, para mim e para vocês que acompanham o blog, sempre teremos histórias de sucesso por aqui e a de hoje é uma linda história de não uma, mas de duas pessoas.
Vocês vão ler um pouquinho da vida da Natali de Araujo, que já é mãe do Gabriel e que esta deixando de ser a Natali para se tornar a mãe do Vitório, sua pequena grande vitória após o câncer.
Isso mesmo, uma nova vidinha esta vindo ai e mostrando que a cura é possível e muito mais.
Grandes beijos Natali e seja bem-vindo Vitório, a vitória de todas nós.




Na vida temos duas opções, ou se fazer de vitima ou sermos exemplo! 

Eu escolhi ser exemplo! 

Nunca me perguntei o porque estava passando por tudo aquilo, quando descobri o câncer eu tinha certeza que iria vencer e por mais que pedras aparecessem em meu caminho durante o tratamento eu nunca perdi a FÉ.
Sempre entreguei a minha vida nas mãos de Deus é apesar do medo que muitas vezes passavam por aqui eu tinha certeza que ele tinha o melhor para mim.

Foi assim que aconteceu, passei por todo o sofrimento que alguém poderia passar durante esse tratamento, por algumas vezes eu ouvi que eu não irei suportar.
Me apaguei por varias vezes em querer ser exemplo para quem esta na luta, eu não podia desanimar, pois muitas meninas precisavam da minha força para encarar sua luta.
Logo me vi fazendo trabalho voluntario, o Grupo Camaradas me abriu um horizonte que ate ali eu não conhecia. O Sorriso dos meus pequenos é a fonte da minha força. Me fazer de fraca, diante daqueles pequenos guerreiros eu não podia.
O carinho do Gabriel comigo, onde eu já não estava tão bem e mesmo assim ele dizia que eu estava linda, me fazia pensar que toda aquela luta iria valer a pena.

E como valeu a pena, hoje sou uma pessoa melhor, não porque o câncer te faz ser melhor mais sim porque você começa a enxergar a vida de uma outra maneira.

Você passa a fazer hoje e não amanhã, o amanhã a Deus pertence é só ele sabe o final de cada história.

Deus nunca me deixou desistir, ele me mostrou a todo tempo que eu podia, ele sabia qual séria o final dessa história.

Final Feliz...

Como eu sempre desejei ser exemplo, ele me mandou esse anjo, anjo qual veio com uma missão linda de trazer esperança, hoje existem milhares de mulheres que sonham em ser mães após o tratamento, pois sim ouvimos que não poderemos mais.


Sonhar, viver, e todo dia agradecer
E rezar pra você ser a última a morrer
Uma gota de você vale mais que tudo

Quando a solução não pode resolver
Eu fico com você, esperança
Eu fico com você
Sonhar, viver, e todo dia agradecer

E rezar pra você ser a última a morrer
Esperança

Você que esta lendo essa mensagem, tem muitas pessoas que precisam do seu exemplo para vencer, seja Hoje o exemplo de alguém e faça a diferença.

Eu fiz a minha escolha e hoje sou muita mais Feliz! 

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

ESPERA MAIS UM POUQUINHO

Pois é, espera mais um pouquinho Renata, paciência!
Semana passada fui na primeira consulta com o oncologista, e sim, me apaixonei pelo meu médico (nos tornamos possessivos com relação aos médicos)
O cara é um SER HUMANO, como os outros que estão cuidando de mim, e quem me conhece sabe o quanto prezo isso.
Bom, mas ele me disse que vou ter que esperar mais uns diazinhos para começar o tratamento
As coisas que ouvi dele foram super animadoras, iguais as que ja tinha ouvido da masto e do radio mas ainda não da para começar o tratamento com um resultado divergente que apareceu.
Vou explicar:
O médico disse que pelo grau do bicho e as suas características a cura é certa e que eu nem precisaria de quimioterapia, somente radio e 5 anos de hormonioterapia mas por segurança ele me passará algo leve. Como ja estava preparada para o pior e quero ficar 100%, vou acatar a tudo que ele falar.
Maaasss ... um dos resultados da imunohistoquimica feita após a cirurgia (nome feio dado para o exame que detalha o bicho) deu positivo e na imuno da biopsia deu negativo. O que isso muda? Na agressividade do tratamento nada, mas vai incluir um remédio a mais caso o positivo se confirme.
Meu exame foi para um tira teima, ou exame chamado fish e enquanto o resultado do "peixe" não sai to aqui esperando.
De verdade, to bem tranquila porque estou confiando piamente nos médicos e acima de tudo em Deus mas ansiosa para começar logo e melhor, terminar logo essa etapa.
Volto em breve

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

ANJOS NO CAMINHO (PARTE 3)



Tenho alguns amigos especiais que estão comigo desde que começou toda essa história, quer dizer estão comigo há anos e não me abandonaram nesse momento, se fazendo presente de alguma forma e me dando toda força do mundo.
Tem o loirão que me liga quase todos os dias, vem aqui em casa fazer palhaçada. Tem a minha amada Fiona que esteve comigo no dia mais triste da minha vida mas me poupou no dia que aconteceu com ela. Tem a amiga de infancia que venceu o bicho e voltou para me mostrar que tudo ficaria bem.Tem o casal pão de queijo que me levou para o primeiro almoço pós operação (falta a outra metade do cardápio). Tem a "senhoura" casada que me deu a melhor noticia que uma amiga poderia dar. Tem o fia da putinha que me engana, diz que me ama, que vem me ver e só trabalha e tem as 2 amigas irmãs, que me deram a maior prova de amizade e é isso que eu quero contar.
Uma trouxe a outra pra minha vida. Uma eu conheci na fila da rodoviária comprando passagem pra Porto Seguro pq na época me cagava (mais) de avião e tive que encarar a estrada. Passamos os dias de férias juntas e na volta ela me apresentou a outra amiga e ai ja se foram 13 anos.
Tantas histórias pra contar (sobe o som e toca "a galinha magricela", só uma entenderá) que daria um blog só para elas mas preciso contar o que fizeram por mim nesse momento da minha vida.
Uma estava com minha mãe durante a minha cirurgia, a outra não, na verdade a outra sumiu e ai começa tudo.
Minha linda amiga estava com uma tia com esse bicho do mal há alguns meses e eu sempre perguntava das condições dela. Com um sorriso no rosto ela dizia que a tia estava bem e se recuperando.
Na minha primeira consulta ao psiquiatra essa amiga me acompanhou e eu não parava de perguntar da tia, das reações, de como eles estavam encarando, de como era o tratamento (perguntas que só quem esta passando por isso entende) e ela na maior paciência do mundo me explicava, falava do tratamento e de como a tia estava reagindo.
Quando não era pra ela que eu perguntava, era para a outra amiga e como ambas sabiam que eu estava disposta a encarar o bicho de frente e com otimismo sempre vinham com boas notícias.
Até que na ocasião da minha cirurgia a amiga sumiu, falava pouco comigo, me deixava falando sozinha no facebook e eu sempre perguntando da tia...
Um dia não aguentando mais ter que mentir pra mim, ter que ver a amiga sustentando uma história que não existia mais, a outra amiga me contou que a tia havia falecido na semana que descobri meu bicho mas minha força de lutar era tanta que elas não podiam me contar a verdade.
Nesse dia senti o chão abrindo. Fiquei triste pela tia da minha amiga, fiquei triste pela minha amiga ter revivido tudo só para me fazer acreditar que tudo sempre acaba bem.
Nesse dia meus sentimentos se misturaram: as pessoas morrem dessa merda, a tia da minha amiga morreu, ela se fez de forte para não me deixar sofrer com isso. E a outra, no meio disso tudo, sabendo do sofrimento de uma e do medo da outra e se mantendo la, amiga das duas, segurando a barra das duas ...
Demorei para assimilar mas logo que cheguei em casa mandei um e-mail quase que libertando ela e pela primeira vez alguém expressou com todas as letras o que certamente ja passou na cabeça de muitos: "eu fiquei com medo de te perder também".
Quando fiquei sabendo da verdade palavras como "doentio", "teatro" passaram pela minha cabeça mas achava tudo isso pq só conseguia pensar na dor da minha amiga.
Todos os meus amigos são muito importantes da minha vida (inclusive outros tantos que não citei aqui), cada um esta tendo uma importância inexplicável nesse momento com suas palavras, suas atitudes mas essa foi a maior prova de amor que poderiam ter me dado nesse momento.
E minha contribuição a todos vocês é minha recuperação, muitos anos de vida atazanando vocês que amo sem fim ...




domingo, 27 de outubro de 2013

MÊS DAS CRIANÇAS, OUTUBRO ROSA

E o que esses dois assuntos tem a ver um com o outro?
Na minha vida tudo!
Enquanto a maioria das meninas estão falando sobre Outubro Rosa  e a prevenção do Câncer de Mama eu preferi falar das crianças e como elas me prepararam para encarar o bicho.
Faço trabalhos voluntários com crianças com câncer, se eu não me engano, ha uns 5 anos.
O primeiro projeto que trabalhei foi o "Sonhando Juntos", projeto esse que tenho um carinho absurdo.
Em poucas palavras, a finalidade do projeto é realizar o sonho de uma criança mas como não é fácil de "arrancar" dos pequenos, seguimos brincando, fazendo trabalhos lúdicos até ganhar a confiança deles e assim eles nos revelarem seus sonhos.
No tempo que fiquei la presenciei alguns como o menino que foi bombeiro por um dia, o que foi chef de cozinha por um dia e outro que entrou em campo com o Rogerio Ceni.
O outro projeto, que é o que participo agora mas estou dando um tempo, é o "História Viva" que consiste em algumas etapas: ir a um asilo e colher historia de vida dos idosos, transformar em um conto de fadas, contar essas histórias para as crianças da Casa Hope, elas fazem um desenho sobre a história e presenteamos o idoso com o desenho sobre sua história. É lindo demais!
Mas o que eu quero falar sobre as crianças é o modo como elas encaram a doença. Elas estão sempre prontas pra brincar, falam numa boa dos seus problemas (regra número 1 para os voluntários: nunca entrar na questão doença mas se elas começarem a falar, deixa), encaram como uma gripe e daquelas que não derrubam.Embora muito conscientes dos cuidados, são ativas e espertas. Só em dia de quimio elas ficam caidinhas mas logo passa.
Lembro de um menino chamado Tiago que tinha um tumor na perna e nós voluntários estávamos todos "cheios de dedos" com o menino mas ele fez que fez que acabamos jogando futebol e brincando de esconder :)
Conclusão, ja convivi com crianças com problemas muito maiores que o meu e encarando de uma forma natural, sem dramas. Crianças que não sabem o que é viver sem doenças, que estão longe de casa (os trabalhos são feito em casas que abrigam famílias vindas de fora da cidade e que estão passando pelo tratamento), dos irmãos, dos amigos, da escola.  Uma baita lição de vida e que com certeza esta me ajudando demais.
Mas o que a história com as crianças tem a ver com o Outubro Rosa.
No dia que conheci as meninas estávamos conversando sobre todas as ações fortes para prevenção do câncer de mama acontecerem nesse mês e não ter o mesmo poder durante o ano. Nosso tratamento é longo, chegando a durar anos em alguns casos, ou seja, conscientização e apoio devem acontecer o ano todo.
Lembrei das crianças que em um Natal receberam visitas de alguns grupos de voluntários que levaram presentes. Nesse dia estávamos la com as brincadeiras que fazíamos o ano todo e precisamos parar para que as crianças fossem receber seus brinquedos ja que elas não queriam parar com a confecção de enfeites de Natal que propomos como atividade. Os presentes foram recebidos com um muito obrigado e deixado de lado para que elas pudessem voltar às nossas atividades.
Ficou muito claro que o importante para elas não era ganhar aquelas visitas somente naquela época do ano, que é quando as pessoas se tornam solidárias. Para elas era importante ficar com os "tios" que estiveram la durante o ano inteiro, acompanhando suas histórias e fortalecendo aqueles laços.
E assim a vida segue nos ensinando (e as crianças mais ainda)

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

VIDA SAUDÁVEL - II

Não disse que a super prima estaria sempre por aqui com receitinhas saudáveis e gostosas?
Ela foi pra BH visitar a família mas deixou tudo preparado para nós

Que uma boa alimentação é essencial para uma vida mais saudável, acho que não é mais segredo pra ninguém, mas queria dar algumas dicas para os pacientes em tratamento contra o câncer melhorarem sua qualidade de vida e fortalecerem o corpinho!! ;)

Já comentei no texto da semana passada que sou vegetariana e AMOOOO, mas queria reforçar que não é q exatamente o consumo de carne seja ruim para pacientes em tratamento, mas a gordura presente nas carnes, principalmente vermelhas, pode ser muito prejudicial pra qualquer pessoa. 

Alguns estudos também apontam os laticínios como prejudiciais, mas nada foi comprovado, assim como o consumo de soja. Se fuçarmos bastante, vamos encontrar muitos estudos divergentes, mas eles são menores que os que demonstram os benefícios desses alimentos para o nosso organismo.

O ideal é que se corte o máximo possível de gordura, de vez o cigarro e que se diminua o consumo de álcool, porque essa combinação é realmente MUITO ruim em qualquer situação!! 

Introduzir frutas, verduras, legumes, castanhas em geral e azeite de oliva, ajuda no fortalecimento do organismo de uma forma geral e ajuda a combater o câncer!

Suco verde, salada de fruta, salada verde e pratos com vegetais e castanhas são deliciosos e são remédios naturais que podemos consumir de diversas formas e com diferentes combinações que agradam a todos os gostos, eu garanto!!

Pra quem não curte muito uma saladinha verde simples (eu aprendi a amar!!) aí vai uma receitinha simples e deliciosa!!

SALADINHA DELÍCIA
ALFACE AMERICANA CORTADINHA EM TIRAS
REPOLHO ROXO CORTADINHO EM TIRAS
CENOURA RALADA
TOMATE CEREJA CORTADO AO MEIO
MAÇÃ CORTADA EM QUADRADINHOS (COM CASCA MESMO!!)
PASSAS BRANCAS OU DAMASCOS (SE USAR DAMASCOS, CORTE EM 4)
CASTANHAS DE CAJU
PEDACINHOS DE QUEIJO (TENHO COMPRADO "QUEIJOS" SEM LACTOSE QUE SÃO IGUALMENTE DELICIOSOS E QUE SÃO UMA ÓTIMA OPÇÃO PARA PACIENTES QUE TEM INTOLERÂNCIA A LACTOSE, O QUE É MUITO COMUM!)
EU AMO OVO COZIDO E ELE É UMA EXCELENTE FONTE DE PROTEÍNA, ENTÃO PODE COLOCAR TBÉM QUE FICA ÓTIMO!!

PARA O MOLHO:
SUCO DE 1 LIMÃO
MOSTARDA A GOSTO
AZEITE DE OLIVE EXTRA VIRGEM
VINAGRE DE MAÇà
SAL

MISTURE TUDO NUMA BACIONA E MANDA VER!!! ;)
AH … UMA TORRADINHA DE PÃO INTEGRAL CAI MUITOOOO BEM PRA ACOMPANHAR E PODE VIR COM AQUELE QUEIJINHO QUE EU FALEI POR CIMA DERRETIDO NO FORNO … QUE TAL?

Espero ter ajudado os pouco amantes de salada, como eu já fui!! Garanto que além de deliciosa, essa salada te dá totalmente de presente um monte de coisas boas!!

Bjokas e até a próxima semana!!


domingo, 20 de outubro de 2013

sábado, 19 de outubro de 2013

RECICLAGEM MAIS QUE BEM VINDA

A alguns dias eu fiz um post onde falava sobre o "sumiço" de algumas pessoas durante o tratamento e agora eu quero falar do contrário, pessoas que entram na nossa vida.
Ai como é bom conhecer gente nova e positiva :)

Terça- feira (15/10) foi o lançamento do livro "Quimioterapia e Beleza" aqui em São Paulo e claro
que não ia perder a oportunidade de estar presente nesse momento que é um pouco de cada mulher que esta passando pelo perrengue.
Chamei várias amigas para ir comigo e por causa da vida louca nessa cidade, na ultima hora, me vi sem companhia mas "vão bora" que a vida acontece assim mesmo.
Cheguei tímida na livraria (acreditem, sou tímida nos primeiros 5 minutos), comprei meu livro e fiquei de longe observando as pessoas, tentando reconhecer algum rosto.
Puxei papo com uma, logo chegou outra, e mais outra e assim éramos uma turma de mulheres (carequinhas ou não) dando risadas, comemorando o fato de estarmos ali naquele local  lindas e felizes, fazendo planos e principalmente empenhadas em levar a luta contra o câncer adiante.
Como disse uma das meninas, parecíamos amigas de infância. Talvez não de infância mas quem sabe de destino?
Estar sozinha naquele lugar, naquele momento, foi tão importante pra mim...
Adoraria a companhia de alguma das minhas amigas mas descobri que aquele era um momento meu, de um assunto meu e que só aquelas pessoas me entenderiam.
Foi uma noite especial e que eu espero que aconteça várias e várias vezes.

Quando vim embora, enquanto folheava meu livro no metro, só pensava na frase clichê mas verdadeira

"De repente a vida te vira do avesso e você descobre que o avesso é o seu lado certo!"
Obrigada Deus por preencher as lacunas com tanta coisa boa.


sexta-feira, 18 de outubro de 2013

A INTERNET A FAVOR DO AMOR E DA CURA - III

Hoje quero que conheçam a história de mais uma mulher que através das redes sociais passa mensagens de motivação e cura para a mulherada.
Aqui um pouquinho da história da Deibe, mais uma linda guerreira que ja matou o bicho.




VIDA X CÂNCERMeu nome é Deibe, tenho 38 anos, sou casada com Fabio e mãe de duas garotas, Anna Luíza de 09 anos e Ana Laura de 02 anos e meio.
Sou uma pessoa muito tranquila e confiante no amanhã.
Sempre fui batalhadora afinal eu era a irmã mais velha de uma pequena trupe de 6 irmãos, como minha mãe veio a falecer fiquei responsável por aquela turminha.
Na minha vida tudo era dentro do que tem que ser feito, nunca fui muito emotiva, sempre fui muito racional . Eu estava acostumada a depender somente de mim, nunca gostei do imprevisível, sempre gostei de estar no controle da situação...
Me casei em 2001, em 2002, tive minha filhota Anna Luíza. Eis a 1ª mostra de que na vida tudo pode mudar, a vida esta sempre em constante mudança...
Tive que largar um emprego de muitos anos em prol daquela coisinha tão pequenina e que não pegou mamadeira, só o leite materno e direto da fonte...
Essa foi minha 1ª relação com algo que não tinha como eu mudar, sem machucar ninguém.
Amamentei Anna Luíza até ela completar 3 anos e isso me deixava feliz, completa, protegida...
Em 2009 resolvi ter mais um filho, e eis que em Junho/2009 engravidei.
Em Março/2010 nasceu minha princesinha Ana Laura, ela gostava de mamar, e como gostava...
Em Dezembro/2011, quase natal....
Acordei em uma certa manhã e como toda mulher que amamenta acaba tocando muito a mama, senti um pequeno caroço na mama direita, isso era em um fim de semana. Logo na segunda feira, fui ao posto de saúde e conversei com a enfermeira Kátia, e ela analisou e disse que podia se tratar de um calo de leite....
Tive que fazer compressas de gelo durante um mês mas como em "mulher que esta amamentando não dá câncer" eu estava tranquila....
Voltei ao posto em fevereiro pois o caroço não havia sumido.
A partir daí, foram mamografia, ultrassom da mama, cory biopsy...
Eis que os exames mostraram dois tumores, um em cada lado da mesma mama e em Agosto/2012 o diagnostico que eu não imaginava: Câncer de mama. ( CARCINOMA DUCTAL INVASOR II)
Meu Deus e agora? Minha 1ª reação foi de choro mas como eu disse lá no inicio, não sou mulher de perder tempo, perguntei ao medico o que deveria ser feito, e ele disse:
Cirurgia, Quimioterapia, e radioterapia...
Até então eu estava esperando uma cirurgia simples, mas não foi.
No dia 31 de agosto, Dr. Mauro Goursand, meu mastologista, um anjo que apareceu em minha vida, me disse que eu teria que passar por uma mastectomia total, com esvaziamento de axila, e com reconstrução imediata com prótese de silicone.
Eu, que já tinha colocado DEUS no controle de minha vida e deixado ele agir não me desesperei pois já havia conhecido algumas pessoas que havia lutado e vencido o câncer, ou estavam lutando, com determinação e com muita força...
No dia 23 de outubro, fui submetida a tal cirurgia e reconstrução inicial, correu tudo bem, e graças a Deus esta tudo no controle de DEUS.
Peguei o resultado da biopsia, e já havia subido um grau. Havia sido retirado 15 linfonodos e 11 estavam comprometidos, e graças a DEUS, não houve comprometimento sanguíneo.
Dia 03/ Dezembro foi minha 1ª consulta com o oncologista.
DEUS ESTA SEMPRE NO CONTROLE DE MINHA VIDA
Nada tenho a temer.
Meu marido é um guerreiro, como tantos que existem por aí, pois esta me ajudando tanto, me apoiando e me dando toda a cobertura com a casa, que preciso pra poder me dedicar exclusivamente a minha recuperação.
O CÂNCER ME ENSINOU A VER A VIDA COM OUTROS OLHOS, COM MAIS FORÇA E COM MAIS DESEJO, EU CREIO INFINITAMENTE EM DEUS, AMO A VIDA
Em dezembro de 2012, tive minha primeira consulta com o oncologista.
Saiu meu histoquímico, sou HER2 positivo.
FOI PROGRAMADO PRA EU FAZER 16 QUIMIOTERAPIAS (04 VERMELHAS E 12 BRANCAS)
EM JANEIRO DE 2013 (04 DE JANEIRO) FIZ MINHA PRIMEIRA QT VERMELHA (o medico ficou surpreendido do SUS ter liberado, pois ainda faltava entregar os resultados dos exames mais específicos, mas como eu disse no inicio DEUS ESTA SEMPRE NO CONTROLE DE MINHA VIDA, NADA TEMEREI.
Não tive grandes reações: só gosto de boca que resolvi mastigando o gengibre, dicas de minha amiga Cidinha Artioli.
16 dias depois da primeira quimioterapia, o cabelo começou a cair, senti que tinha que fazer algo uma vez que é muito deprimente vê-los cair, pedi ao meu sobrinho pra passar a maquina, e assim foi feito... A partir daquele dia passei a ter uma postura diferente me olhei no espelho e disse garota você esta careca então vai ter que fazer algo pra suprir essa falta dos cabelos.
E foi o que fiz, desde então me levanto e cuido da pele, faço a maquiagem do dia a dia, bem feita e pronta, estou bela de novo. As pessoas me olhavam e faziam a mesma pergunta: você faz quimioterapia? Nossa não parece... 
Sabe por que não parecia, porque tudo depende da forma como vc encara o problema. E as pessoas vão te tratar conforme o seu comportamento... 
Veja bem, entro em um estabelecimento as pessoas me olham sabe qual é minha postura diante desse olhar? Ergo a cabeça e percebo que o olhar é de admiração, pois logo pensam, nossa ela esta careca e linda, etc... 
Eu poderia abaixar a cabeça e não olhar pra pessoas e pensar: nossa ela esta carequinha, coitada. Um ou outro pode pensar assim, mas sempre vou firmar meu pensamento no positivo e me fixar em quem me olha com orgulho e não com pena... Tudo depende da forma como vejo as coisas! É o famoso ponto de vista!
E assim foi, eis que fiz as 04 vermelhas as 12 brancas, todas com os efeitos bem tranquilos que não me atrapalhavam pois nunca me fixei no que me faz mal, no que me falta e sim no que me faz bem e no que tenho. Meu lema é o que tem pra hoje? Ser feliz, fazer uma bela limonada com o limão que a vida me dá.
Veja bem, temos que ser feliz agora, e não quando acabar o tratamento tem que crer que deus esta no controle e que tudo acontece no kairos (tempo) de deus, e continuar a ser feliz. Um exemplo tenho uma festa pra ir ao fim de semana e quimioterapia pra fazer na segunda... Se eu fixar meu pensamento só na quimioterapia, não perceberei as maravilhas que irão me acontecer durante o fim de semana, pois fixei meu pensamento só no tratamento e esqueci-me de ser feliz, tenho que ser feliz, aproveitar as maravilhas que deus me dá hoje, agora e não depois, depois vou ser mais felizzzz!
Sempre fiquei como me sentia bem, ora com peruca, ora só de lenço, ora com peruca e lenço, tanto que criei um grupo, chamado clube da LULUZINHA, onde posto tudo sobre beleza, passo a passo de lenço na cabeça, com peruca ou cabelo natural, uma vez que o clube é pra todas as mulheres, pois a autoestima é tudo.
Dia 24/06/2013 foi minha ultima quimioterapia branca, em julho foi a radioterapia e o começo do herceptien, que é um outro tipo de quimioterapia, (um anticorpo).
E sabe Deus? Continua no controle. 
E sabe nossa Senhora? Continua passando na frente e me ajudando a suportar os momentos difíceis.
Acabei de fazer as radioterapias, cabelinho crescendo e meu Deus continua no controle, me ajudando e me mostrando qual o melhor caminho a seguir nesse renascimento...

sábado, 12 de outubro de 2013

VIDA SAUDÁVEL

Pedi para minha prima que é bióloga e optou por uma alimentação mais saudável e se tornou vegetariana, dar umas dicas semanais aqui no blog com alimentos que fazem bem para quem esta em tratamento e principalmente para cuidar saúde e da imunidade.
Ela topou o desafio e toda semana vai passar uma receitinha bacana para nós.
Eu não posso ajudar muito no assunto pois ainda não obtive essa "iluminação espiritual" e não resisto a uma carninha. Claro que diminui muito o consumo após o diagnostico mas ainda não desapeguei (e nem quero hahaha)
Visitem o blog "Gostosuras Veggie", tem bastante dicas la também.

Aqui o primeiro texto que ela escreveu para nós

"Eu não como NADA verde ... só uva e kiwi!!!”
Era essa minha resposta para quando me ofereciam saladas, um prato com salsinha (até mesmo se fosse só pra decoração) e normalmente pra quase todo tipo de comida saudável!!
Há 2 anos me tornei uma vegetariana feliz com que come, mas triste por não ter me tornado antes ... enfim, nunca é tarde pra se ter hábitos saudáveis!!
Quando a Rê me pediu pra escrever pro Blog, voltei nos meus textos, sites e receitas para pesquisar mais sobre alimentos funcionais e cada vez eu tenho mais certeza de que a boa saúde está mesmo na alimentação e ser vegetariana foi a melhor escolha q eu fiz para vida!
O segredo está em variar as cores de tudo que comemos, isso mesmo ou você acha q um prato em tons de bege pode ser mega saudável? Não!!  Provavelmente eles tem muitos carboidratos e gorduras ...  garanto!!!!!
Uma dieta líquida me parece  ser uma boa solução para quem esta em tratamento e, as vezes, dificuldade para se alimentar mas ela deve ser extremamente nutritiva e cheia de  sabor!  
Uma boa opção são os sucos verdes.
Verde porque normalmente as  folhas verdes tomam conta da cor do suco mas ele pode sair laranjinha, roxo e até cor de rosa.
Não existe segredo se o objetivo é nutricional mas quem está de regime deve tomar cuidado com as gostosuras para não exagerar nas calorias! 
Uma ótima  mistura é couve, gengibre e maçã. Lave tudo direitinho, passe no Juicer com casca e tudo e depois dilua com suco de laranja, água de coco, chá de hibisco, entre outros.
Use sua imaginação e seu gosto! 
Gosto muito tbém de bater no liquidificador água de coco com morangos congelados, pepinos e couve. Esse suco pode ser tomado coado ou não, sem problemas, o importante é tomar logo em seguida ou no máximo 15 minutos para que tudo permaneça fresquinho!!
Aliás deixa eu falar mais do chá de hibisco que é incrível! Tem função adstringente, é diurético e combate os radicais livres, ou seja, limpa tudo!!!! Reduz o colesterol ruim e ainda ajuda  no rejuvenescimento da pele. 
O gengibre também é um ótimo alimento para incluir nos sucos porque tem função antioxidante, anti-­‐inflamatória e é excelente para combater os enjoos causados pelo tratamento. O ideal é que se coloque no máximo duas frutas, duas ou mais folhas verdes (pode ser mais quantidade de um  tipo só), no máximo dois tipos de legumes e raízes,brotos e sementes, esses apenas um tipo.
Muito importantes são os alimentos antioxidantes para quem está em tratamento,tais como o azeite de oliva, frutas vermelhas, cítricas e Ômega3. Para eliminar toxinas o melão, o pepino e o abacaxi são ótimos também.
O tomate  na minha opinião, além de ser excelente nutricionalmente falando é meu   favorito.Todos os alimentos com  flavonoides são suuuuper bem vindos!  
Tenho  uma receita de Gaspacho (sopa de tomate gelada) que é incrível e vc pode preparar, guardar em garrafinhas na geladeira e ir consumindo. Coloco pepino,tomate e limão que são excelentes, além de gostosos e bato tudo no liquidificador.
Acabei aprendendo cozinhar conscientemente e penso muito em tudo que compro e uso pois nossa alimentação pode curar e fazer a nossa vida mais gostosa e saudável. 
Sou sim contra o consumo de carne e tenho tirado muitos produtos de origem animal da minha casa mas ainda consumo leite e ovos, de qualquer maneira defendo o consumo de COR para uma alimentação rica em nutrientes.
O nosso corpo agradece e a natureza  tbém!!

Obrigada Juliana, esperamos novas receitinhas :)

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

SAI PRA LA URUBU

Lembram quando eu disse que o comentário do radioterapeuta ia gerar um novo post?
Para quem não lembra, quando ele entrou na sala eu estava rindo com minha mãe e ele rindo mais que nós fez uma brincadeira: "ué, cade sua cara de doente? aqui só atendo pessoas doentes"
Começar uma consulta super importante com uma vibe assim só podia acabar com boas notícias como acabou mas me lembro o que falei para ele na hora desse comentário:
- "Sabe doutor o senhor brincou mas tem pessoas que realmente não entendem como eu não estou com cara de doente, afinal eu tenho câncer e eu PRECISO TER CARA DE DOENTE"
E é isso que venho encontrando pelo meu caminho, na minha história e na história de todas as pessoas com câncer que tenho conhecido, sem exceção.
É incrível como o ser humano tem um lado mórbido, um lado urubu.
Sei que pra quem esta de fora é difícil desassociar essa praga com a morte, com o fim (eu mesma pensava assim) mas parece que as pessoas sentem prazer no sofrimento, acho incrível como as pessoas reagem com espanto quando o "lado doente" não esta tão doente assim (leia-se triste, depressivo, rindo, passeando, tendo uma vida normal)
Teve um "urubu" que enquanto eu não sabia o resultado da biópsia ligava todos os dias em casa para "saber de mim". Depois que soubemos, o "urubu" ligou uma única vez e sumiu, nunca mais quis saber de nada.
Aliás aproveitando o post preciso falar de um assunto pesado mas que faz parte do universo de 100% dos pacientes oncológicos: o sumiço de pessoas queridas.
É incrível como um diagnóstico desses afasta as pessoas.
Entendo que muitos não sabem como agir, não sabem o que falar mas existem pessoas que devido ao tipo de relação tem a obrigação de estar do nosso lado. Ta, obrigação não é a palavra mas retribuição, companheirismo ...
Sei lá, não é fácil falar disso mas vou escrever sim porque guardar as coisas da câncer e isso eu não quero mais.
Ja li histórias inacreditáveis de homens e mulheres abandonados(as) pelos(as) companheiros(as) após resultados e cirurgias, histórias de pessoas que os pais não deram conta e desampararam seus filhos, mas a grande maioria é de amigos que simplesmente nunca deram um único telefonema.
No meu caso quem sumiu foram meus primos, aqueles mais amados, e amigos considerados "amigos de verdade". Cheguei ao ponto de por telefone pedir para meus primos virem em casa me visitar com seus filhos (isso no único telefonema que cada um me deu, os que ligaram no caso).
Teve caso de gente que teve a capacidade de falar "nossa fiquei sabendo pq vi no seu face, você nem pra me contar."
Sera que eu deveria ter ligado e falado: "oi tudo bom? então, tenho uma novidade pra te contar. estou com câncer e vou operar. mas a melhor parte você não sabe ainda, vou fazer radioterapia e quimioterapia. vou ficar careca, acredita? CARECA, não é o máximo?"
O câncer é um bom detector de falsos "eu te amo".
Sabemos que o diagnóstico de cada um é único, assim como o tratamento, porém essa sensação de abandono por pessoas que nunca imaginamos que não estariam presentes nesse momento é unânime.
Porém, como o mundo do câncer não é só tristeza como acham os urubus (chuuupa!!!), muita gente do bem chega e fica feliz por te ver bem. Graças a Deus isso também acontece com 100% dos pacientes.
Eu ja conheci muita gente, sei que tem muita gente que nem conheço pessoalmente que esta torcendo por mim e voltei a ter contato com muita gente que não vejo ha muito tempo e que está nessa corrente também.
Bom mas isso é somente a confirmação de uma lição que tive com a morte do meu pai, que você realmente só sabe com quem pode contar quando os momentos mais difíceis aparecem.
Desculpa o desabafo mas essa é uma realidade que machuca.




sábado, 5 de outubro de 2013

A INTERNET A FAVOR DO AMOR E DA CURA - II

Ja falei aqui o quanto a internet tem me ajudado nessa fase né?
Ja falei do tanto de pessoas queridas que estão entrando na minha vida?
Hoje vou falar da Andreia Turra, a primeira que conheci e que de verdade, ja mora no meu coração.
Nossas histórias na descoberta da doença são super parecidas e a forma de encarar também.
Ontem a Deia ja fez um corte radical no cabelo para esperar a chegada da carequinha.
Ficou gata!
Acompanhem o blog dela que é bem legal.

'CARACA!CÂNCER DE MAMA'




terça-feira, 1 de outubro de 2013

ALERTA: SEU MÉDICO NEM SEMPRE ESTA CERTO


Hoje começa o mês de outubro e com o ele o "Outubro Rosa" movimento mundialmente conhecido que visa conscientizar a população sobre a importância dos exames anuais no controle da doença.
Por motivos óbvios essa data tem um significado diferente na minha vida a partir desse ano e quero aproveitar a data para esclarecer algumas coisas que me incomodam demais com relação a esse assunto.
O título do post é forte mas é real, nem sempre a primeira palavra do seu médico é a correta.
Desde que entrei nesse mundo acompanho a historia de muitas mulheres (acho que ja li mais de 1000) e na grande maioria delas, incluindo a minha, existe sempre um médico que vem com papo de "é nódulo de gordura", "fica tranquila, não é nada, você tem displasia", "é um cisto" , "você é nova e não tem histórico familiar" e como nesse momento estamos morrendo de medo nos agarramos nesses diagnósticos 'positivos' mas que podem ser fatal la na frente.
Tenho amigas com "nódulos de gordura" nos seios e debaixo dos braços que me preocupam demais mas elas estão acreditando piamente no médico e não posso fazer mais do que contar minha história e outras tantas para elas.
Aprendi que quando a pulguinha ta atras da orelha, é muito importante ter uma segunda opinião.
Eu mesma bati o pé com minha gineco e pedi uma nova mamografia, minha intuição deu uma forcinha ai.
Mamografia também é um assunto que me incomoda demais quando o assunto é Câncer de Mama.
Pelo amor de Deus, esqueçam esse papo de que a mamografia deve ser feita à partir dos 40 anos. Eu não tenho 40, boa parte das mulheres que conheço que estão passando ou ja passaram por isso não tem 40 anos, não tem histórico familiar.
Quero comprar essa briga contra essas informações, que para mim, são totalmente falsas e ilusórias.
Câncer é uma doença super democrática: não escolhe raça, idade, situação financeira, orientação sexual, inclusive homens também desenvolvem câncer de mama!
Outro mito é com relação a dor do exame. Gente, mamografia não dói. É incomodo como qualquer exame clínico mas quando pensamos na importancia, aff, não é nada.
Nesse Outubro Rosa minha principal mensagem é "mamografia em qualquer idade", só assim muito mais vidas serão salvas.
E vamos em frente que o bicho é feio mas não é horroroso!

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

SERA MESMO QUE NUNCA VAI ACONTECER COM A GENTE?

Sempre que entrava em um hospital evitava passar pela parte oncológica, na verdade só o nome me causava repulsa. Radioterapia então, pra mim, era usar o rádio como terapia e era isso que eu fazia até então.
Ontem passei pela minha primeira consulta no radioterapeuta, um senhorzinho fofo e querido que me fez rir, fez uma consulta que acho que desde a época em que eu ia ao pediatra não faziam em mim (com direito a "martelinho" de bater no joelho) e me deu boas notícias com relação ao tratamento.
Ele entrou na sala, olhou para minha cara e soltou "cade sua cara de doente?" (isso vai dar outro post, aguardem)
Depois de uma longa conversa, depois de ler todos os exames olhou nos meus olhos e disse "todos os procedimentos que você fará daqui para frente é só para completar o tratamento mas vou te falar uma coisa que quero que leve muito a sério, você não é mais uma pessoa doente"
Felicidade define, segunda vez que ouço isso após a cirurgia.
Bom, mas na verdade o que fez com que eu escrevesse esse texto foi um pensamento que me ocorreu enquanto estava na sala de espera: "quando na vida imaginei que estaria na sala de espera de um radioterapeuta?"
A partir dai varias coisas vieram na minha cabeça, tanto ruins como boas, que nunca achamos que vai acontecer conosco: ser assaltado, ter um câncer, ganhar na loteria, dar a luz a quíntuplos.
É engraçado como o ser humano está cada vez mais evoluído mas ainda se surpreende com as situações da vida, como nunca está preparado para nada que aconteça e que o tire da zona de conforto, como sempre vai acontecer somente com o vizinho.
Ja passei pela consulta com o radioterapeuta, em breve com o oncologista, quem sabe o próximo evento para o qual não estou preparada seja ganhar na loteria ... afinal isso também pode acontecer comigo.

domingo, 22 de setembro de 2013

A INTERNET A FAVOR DO AMOR E DA CURA

Eu sou um pouco (muito) viciada em internet, principalmente em twitter (me segue la: @renatinhabitt, mas ja aviso que só falo besteira e "umas verdades") e só posso agradecer porque esse vício tem ajudado muito no meu tratamento.
Claro que antes preciso deixar registrado que os que hoje são meus maiores amigos sairam da telinha do computador, talvez por isso que goste tanto desse mundinho virtual. Também tenho conhecido muita gente do bem, inteligente, engraçada e afim de mudar o mundo ... (essa é pra galera do twitter)
Bom, falando sobre o meu tratamento, acho que ja comentei aqui que só usarei essa ferramenta de forma positiva, quero me aproximar de pessoas que ja passaram, ou estão passando por isso e passar longe de diagnósticos e estatísticas, por isso vou usar o blog para apresentar outras pessoas guerreiras que estão tornando meu caminho mais leve.
No dia do meu diagnostico, não por acaso, assim que entrei na net vi uma reportagem com uma "tal" de Flavia Flores na revista TPM , a partir dai posso dizer que mudei minha forma de pensar e encarar o que estava por vir.
Encontrei a fanpage da Flavinha no facebook e pronto, posso dizer que recuperei a auto-estima que havia perdido mesmo sem saber da doença.
A fan page "Quimioterapia e Beleza" tem feito maravilhas na vida de muitas mulheres que estão passando pelo cancer de mama (e outros tipos também).
A Flavia ta bombando Brasil afora e além de linda é uma pessoa querida, fofa de verdade.
Vale muito a pena conhecer o trabalho que ela esta realizando e o quanto ela esta ajudando muita gente através da sua historia de vida.
Eu posso dizer que a Flavia me levantou antes mesmo de eu cair.
Em breve vou falar do livro dela por aqui, pq sim logo logo Flavinha estará bombando nas melhores livrarias do país.
Obrigada de coração minha linda


 (tem como não acreditar que tudo vai dar certo diante desse sorriso?)

terça-feira, 17 de setembro de 2013

NOTÍCIAS DO MUNDO DE CÁ

Estava devendo um post sobre a recuperação né?
Pois é, to aqui em casa assistindo "O cravo e a rosa", e tals ...
Já são 15 dias da cirurgia e embora ainda com pontos e com licença médica de mais 15 dias, estou mega bem.
Ja passei duas vezes pelo cirurgião plástico que disse que minha recuperação está indo super bem e hoje fui na mastologista pegar o resultado da biópsia, mas vamos por partes:
Os primeiros dias pós cirurgia não foram os melhores, doeu um pouco, principalmente,as costelas. Dormir foi algo complicado pq se ficava muito baixa doia o peito, se levantasse demais doia o pescoço, não podia virar de lado pq o "silica" incomodava e dormir de barriga pra cima doia as costas. Hunf.
Mas isso não durou mais que uma semana e o que incomoda e dói não é a cirurgia em si, e sim a parte estética e a dificuldade de adaptação ao silicone.
Aliás quem tem prótese nos dois seios esta de parabéns, eu não aguentaria (e não vem falar que não dói pq dói sim, e incomoda)
Uma das coisas que ainda não faço direito, e ja estou desesperada para, é tomar um banho descente.
Como ainda não to liberada para erguer o braço direito e de preferencia mexe-lo o menos possível, minha mãe ta me ajudando mas preciso passar essa fase e ficar 2 hs debaixo do chuveiro (desculpa ai natureza mas é por uma boa causa)
Andar de carro também é meio desconfortável visto que o asfalto de São Paulo não colabora.
Ver as cicatrizes (sim, mais de uma) a primeira vez me chocou um pouco mas agora elas ja estão ficando mais discretas, bonitinhas.
Mas tudo isso que estou relatando é bem leve viu gente, nada exagerado.
Foca no resultado que isso é fichinha!
Outra coisa, o senhor cirurgião fez um trabalho maravilhoso, de verdade. A reconstrução ficou perfeita e ele deixou os dois peitos do mesmo tamanho. Show!
Agora a melhor parte, a visita à mastologista.
Entro no consultório e escuto:
"Vamos la menina, temos ótimas notícias"
E são mesmo, as melhores: área retirada esta com uma boa margem de segurança, sem metástases e bicho classificado em nível I (numa escala que vai do I ao IV)
Sabe o que é felicidade de verdade? O que estou sentindo hoje.
A doutora fofa mastologista disse com todas as letras: "Você sabe que ainda temos cinco anos pela frente e que ainda temos os tratamentos auxiliares, mas hoje, do ponto de vista clínico, você está curada"
O que mais dizer nessa hora além de "obrigada Deus" ?
Agora vou para a radioterapia pois como não foi preciso a mastectomia radical (retirei o quadrante doente), desde o início ja sabia que seria necessário.
Em 10 dias sai o exame histoquimico que é o laudo que vai direcionar o oncologista sobre os outros tratamentos para matar de vez o intruso.
A masto é super a favor da quimioterapia e eu também. Nunca tive medo dessa parte do tratamento, não sou apegada ao meu cabelo então a parte do ficar careca não me incomoda (pelo menos assim, na teoria) por mais doido que isso possa parecer. O que eu quero é ficar livre disso tudo o mais rápido e completamente possível.
Bom, essa foi minha segunda vitória e queria compartilhar com todos, principalmente para deixar claro que sim, a cura chega.

(esse girassol foi presente da mãe pra comemorar mais uma vitória)

sábado, 14 de setembro de 2013

ANJOS NO CAMINHO (PARTE 2)

Acho super importante deixar claro que nesse caminho de dúvidas, medos e incertezas, por mais que as vezes a gente se sinta sozinha na multidão, estamos cercados de gente do bem, dispostas a nos ajudar.
Ja ouvi de muita gente que ja passou pelo perrengue do cancêr dizer que os profissionais envolvidos são mais humanos, são mais solidários e positivos.
Comigo não esta sendo diferente desde antes do diagnóstico.
Um anjo que Deus colocou no meu caminho e que, olha, foi anjo mesmo, é a secretária da minha mastologista.
Quando a minha gineco falou que eu precisava procurar um mastologista e eu descobri que não dava pra pagar 500 verdades na consulta do que ela havia me indicado ja que ele não atende por plano de saúde fui no livrinho do plano mequetrefe e separei o nome de mastologistas mulheres. Podia ser qualquer uma que atendesse no centro, na zona oeste ou norte de São Paulo afinal eu não tinha nada então pra que me preocupar, né?
Liguei para umas cinco e consulta só para agosto (estava em junho ainda). Adivinha quem foi a ultima da lista? Sim, minha masto maravilhosa.
Primeira consulta só para agosto. Desespero. Cinco minutos de lucidez, e se eu tiver alguma coisa?
Não posso esperar ...
Conto minha historia para a secretaria: "então, to com um nódulo no seio e minha gineco me encaminhou para o mastologista porque ja fiz dois exames que não deram bons. Não posso esperar até agosto. To com medo (voz de choro)"
Ai começa minha relação de amor e confiança na secretaria:
" Calma, eu não tenho horário mas eu vou ver o que eu faço"
"Tenta um encaixe, por favor. Eu fico o dia todo esperando"
(só para deixar claro, eu podia ter "batido esse sincerão" com qualquer outra secretaria mas só com essa tive vontade, as outras simplesmente agradeci e desliguei o telefone)
"Me liga sexta feira (era uma quarta) que eu vejo se abriu alguma coisa para a pro ... espera, vem terça as 10 e 20, eu dou um jeito, você não pode esperar"
Preciso dizer mais alguma coisa?
A partir dai começou minha rotina de exames, dúvidas, medo mas sempre sendo super bem recebida por esse anjo.
Hoje eu ligo la e ela me conhece pela voz.
Não sei no que vocês acreditam mas esses encontros alimentam minha fé de que esta tudo indo no caminho certo.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

DOENÇA DA ALMA X DOENÇA DO CORPO

Ontem depois que a imprensa divulgou o suicídio de mais um jovem talento da música li muitas opiniões sobre o assunto e uma delas foi "não consigo entender como alguém tira a própria vida quando existem várias pessoas com câncer lutando para viver"
Durante muito tempo eu pensei isso também,principalmente quando comecei a fazer serviços voluntários com crianças com câncer. Era inconcebível, pra mim, como uma pessoa podia acabar com sua vida enqto aquelas crianças estavam la brigando para conseguir ser "gente grande".
Quando comecei a me interessar mais pela mente humana comecei a mudar meu modo de pensar.
Um dia me coloquei no papel de um suicida e pensei se teria coragem. Isso, coragem.
Quando essa palavra passou pela minha cabeça automaticamente mudei do pensamento que o suicida é um covarde para "é preciso ser muito corajoso para dar fim a tudo".
(antes que alguém pense alguma merda a meu respeito: sou cagona a beça.)
Até que no ano passado perdi uma amiga linda, inteligente, profissional de primeira e (externamente) alegre.
Ela era enfermeira, cuidava das dores do corpo mas tinha dores na alma, que nem sempre deixava transparecer (eles quase nunca deixam)
Mais um ponto para eu mudar minha opinião sobre o assunto.
Agora me encontro nessa situação de "dores do corpo" e finalmente entendo que as dores da alma matam bem mais.
Se você pegar o histórico de doentes oncológicos vera que na sua grande maioria todos tem fé, sonhos, perspectivas e isso os impulsionam pra vida. O doente da alma ja perdeu tudo isso...
Embora a saúde externamente pareça estar perfeita acabaram-se a fé, os sonhos, não existe mais perspectivas e isso tudo "justifica" o fim.
Infelizmente a maioria das pessoas ainda encaram depressão como frescura, não enxergam os pedidos de ajuda (ate pq eles não são claros).
Hoje eu entendo que a doença da alma mata mais que a doença do corpo, principalmente pq ainda não estamos preparados para entende-la

Achei bem interessante esse artigo que saiu na Folha, sinal de alerta
http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2013/09/1339520-humberto-correa-combater-o-tabu-para-evitar-o-suicidio.shtml

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

TA NA HORA,TA NA HORA (OU MAIS UMA ETAPA VENCIDA)

Fiquei um pouco ausente porque estava maneta: repouso, silicone, cicatriz, pontos mas agora voltei e vou contar um pouco de como foi o dia da cirurgia.
04/09/2013, o meu evento do ano.
O dia começou mega cedo pois precisei ir no laboratório de medicina nuclear fazer linfocintilografia para detecção do tal linfonodo sentinela
Claro que cheguei apreensiva mas me fez um bem danado estar la antes da cirurgia, conheci sete mulheres entre 30 e 80 anos que iriam fazer a cirurgia naquele dia. Todas tranquilas, falando sobre a vida e não muito preocupadas com a doença, parecia um chá da tarde.
Fui chamada para fazer o exame. Primeiro aplicação de uma injeção totalmente indolor guiada por mamografia, depois a enfermeira veio fazer massagem para o líquido subir para a axila e pronto, bora pra máquina fazer as imagens mas obvio que o meu líquido não subiu, as imagens não puderam ser feitas logo de cara e tive que tomar uma nova injeção. Dessa vez foi na aureola e doeu pra cacete (mulheres devem saber o grau da dor, para homens, digamos que seja a mesma sensibilidade que vcs tem la embaixo) mas dessa vez deu tudo certo.
Final de exame, bora pro hospital. Eu estava estranhamente tranquila, nem me reconhecia.
Internei por volta das 12:30hs e a hora não passava.
Jejum desde às 08:00hs (sólido e líquido) e só as 16:00hs o cirurgião chegou para fazer as marcações no meu peito. Ja estava tensa pq meu psicologico estava preparado para operação às 16hs e ja havia passado 1:30hs quando foram me buscar para o centro cirúrgico.
(Ai bateu tristeza pq pensei na minha mãe se despedindo de mim e lembrando que a ultima vez que vimos meu pai com vida foi quando ele foi levado ao centro cirúrgico.)
Mas vamos falar de mim: dessa vez o avental era mais bonitinho, era desenhadinho e o enfermeiro que me levou para a salinha do bem (ou do mal) era gente boa pra caramba.
Ele ligou o motorzinho da maca e fomos passando por corredores estreitos, com subidas e descidas. Me senti num trem fantasma antes de chegar na mesa cirúrgica, foi divertido.
Lembro de ter falado com minha masto, com o anestesista gato (de vdd gente, gaaaato) e cataploft, acordei escutando que não foi preciso colocar dreno e brigando com o enfermeiro que disse que não tinha como eu fazer xixi sentada porque eu estava com sonda "mas moço você não esta entendendo, eu preciiiiiso fazer xixi sentada"
Voltei para o quarto às 22:30hs e disse minha tia que dei maior chilique pq a TV estava ligada no Ratinho e eu não queria assistir aquela bosta (na hora que fiquei sabendo disso fiquei preocupada se fui operada do peito ou da cabeça, afinal, como eu , Renata, a rainha da cafonice, reclamando do Ratinho?)
Liguei para algumas amigas que ja conhecem minha voz quando estou bebada (Su, Pati Guedes, "tamo juntas"), para minha avó e dormi super bem dentro das condições que me encontrava.
No dia seguinte, às 11hs, a visita que eu tanto esperava, dr. cirurgião me dando alta e me dando a melhor noticia possível: linfonodo sentinela negativo e sem esvaziamento axilar, uma etapa ultrapassada.
Minha experiencia cirúrgica foi positiva, estive cercada de carinho dos profissionais do hospital Osvaldo Cruz (recepcionista, enfermeiras, médicos) e de amor da família e amigos.
Após isso casa, repouso, braço sem mexer, faniquito por ter que passar final de semana em casa, noites mal dormidas pq odeio dormir de peito pra cima, antibiótico, anti-inflamatório, dipirona, Candy Crush, visita de pessoas queridas, ligações e comida + comida + comida.
Hoje, dia 09, fui ao cirurgião trocar o curativo e minha recuperação esta indo super bem.
Agora posso voltar a digitar mas ainda não posso levantar o braço.
Mãe, você ainda vai ter que continuar me dando banho.